Maiza cobra providência sobre vagões de trem abandonado na estação

admin 8 de maio de 2012 2
Maiza cobra providência sobre vagões de trem abandonado na estação

Em requerimento, a vereadora Maiza Rio cobrou um posicionamento da Prefeitura em relação aos vagões de trem abandonados na antiga Estação Ferroviária. Maiza quer saber quais as ações empreendidas pelo município para que a empresa responsável pelos vagões, América Latina Logística, tome as cabíveis providências.

No mesmo requerimento, Maiza Rio pede para que seja feito serviços de limpeza e conservação nas imediações da antiga Estação Ferroviária, visando oferecer melhor aspecto à área, que foi doada pelo Estado ao município.

O requerimento foi apresentado na Câmara, pela vereadora, depois que os moradores daquela região fizeram denúncia na imprensa local, sobre o problema, que tem causado uma série de transtorno, como por exemplo, a presença de usuários de droga.

“Aqueles vagões de trem precisam sair dali e aquela área precisa receber um cuidado especial do Poder Público. Sabemos que a Prefeitura vai implantar o projeto Estação das Artes, na antiga Estação Ferroviária, que vai oferecer esporte cultura e lazer para a população; mas até que essa melhoria não seja executada, providências precisam ser tomadas, porque os moradores daquela região estão sofrendo com a presença de usuários de droga, que ameaçam a segurança daquelas famílias”, explica Maiza Rio.

(Publicado 08 de Maio de 2012).

2 Comentarios »

  1. marcelo 19 de junho de 2012 at 16:16 - Reply

    ola adorei o comentario e realmente tem que dar uma soluçao, gostaria de saber se existe forma para comprar os vagoes abandonados

  2. Wilson 24 de agosto de 2012 at 16:13 - Reply

    Somente uma informação:

    Na privatização, as Empresas como MRS Logistica, ALL, e outras ela ganharam o direito de utilizar somente a malha ferroviária que um modal do dos acionistas das grandes empresas que utilizam o ” consorcio ” ferroviario.
    Sucatas, antigas estações ferroviaria , material ferroviário pertencem ao governo do Estado de São Paulo patrimônio da antiga FEPASA, material este que não podem ser vendido, comercializado ou agregado pelo atual consorcio que administra a malha ferroviária.

Comentar »